terça-feira, 1 de julho de 2014

Dores

Caso este que conto
É um cordel da vida
Pode ser um confronto
Num beco sem saída

A briga daquele par,
Longe de comédia,
Foi uma tragédia
Então vamos apressar.

Certa feita, Dores viu
Em abraços seu amor
Em beijos o seu viril
Em prantos caiu o terror

Pensou alguns segundos:
Um final terei que dar
Talvez fugir ou matar
Ou deixá-los moribundos.

Gasolina e fogo
Esperando a hora
Em meio ao seu rogo
Para queimar a caipora

Foi durante o coito
Que começaram arder
Os fluídos a ferver
Suas idades: dezoito.

Dores arrependida
Procurou a igreja
De alma carcomida
Ordem de deus, seja.

Para ser perdoada
Rezar ela tería
Trinta ave-Marias
E vinte açoitadas.

O padre incrédulo
Pensou em sacanear
Pensou em algo sédulo
Mais que álgebra linear.

Mandou Dores escrever
Os nomes dos falecidos
Em mil muros coloridos
Para pecados absolver.

Nenhum comentário:

Postar um comentário